TDAH em Crianças: 10 Sintomas Que Você Pode Identificar.

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, mais conhecido como TDAH, é uma das condições neuropsiquiátricas mais comuns na infância. Ele afeta a capacidade de uma criança de concentrar-se, controlar impulsos e regular o comportamento de maneira apropriada para sua idade.

Enquanto muitos de nós associamos a infância a uma fase de curiosidade, energia e exploração, o TDAH em crianças pode ser desafiador e frustrante devido aos sintomas que apresentam.

O TDAH não é um transtorno homogêneo; na verdade, ele se manifesta em diferentes formas e intensidades. Existem três tipos principais de TDAH:

Receba Conteúdos Exclusivos e Participe do Grupo no WhatsApp!



TDAH Predominantemente Desatento: Crianças com este tipo de TDAH frequentemente têm dificuldade em prestar atenção a detalhes, seguir instruções e manter o foco em tarefas. Eles podem parecer sonhadores ou distraídos.

Se quiser conferir esse conteúdo em vídeo e acompanhar mais dicas, visite nosso canal do YouTube. Clique aqui ou na imagem abaixo.

TDAH Predominantemente Hiperativo-Impulsivo: Nesse tipo, a hiperatividade e impulsividade são mais proeminentes. As crianças podem ser inquietas, incapazes de permanecer sentadas e podem agir impulsivamente sem pensar nas consequências.

TDAH Combinado: Este é o tipo mais comum de TDAH, no qual a criança exibe sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade.

Embora os tipos de TDAH possam variar, todos compartilham uma série de sinais comuns que, quando identificados precocemente, podem levar a intervenções eficazes. Neste artigo, exploraremos os 10 principais sinais de TDAH em crianças, independentemente do tipo, a fim de ajudar pais, educadores e cuidadores a reconhecer e entender melhor essa condição e, assim, oferecer o apoio necessário às crianças que enfrentam esses desafios.

Sinais de TDAH em Crianças:

1. Dificuldade de Concentração

Eles facilmente se distraem com os estímulos mais sutis do ambiente, como ruídos, movimentos, luzes e objetos. Isso ocorre devido à sua capacidade reduzida de manter o foco em tarefas, atividades ou conversas por períodos prolongados.

Em suas mentes, um pensamento rapidamente é sucedido por outro, o que muitas vezes se torna evidente durante uma conversa, quando fica claro que estão perdendo o foco. Trazê-los de volta ao momento presente representa um desafio significativo.

Na sala de aula, estar próximo de uma janela ou da porta pode ser suficiente para que eles esqueçam a necessidade de concentração. Durante o tempo dedicado às lições de casa, é essencial criar um ambiente calmo e organizado, livre de distrações como televisão ou música. A mesa em que trabalharão deve ter apenas o material necessário, e se houver tarefas de várias matérias, é útil separar o tempo para cada uma, apresentando à frente somente o material da disciplina em questão.

Uma dica adicional é adquirir materiais neutros, evitando itens com muitos personagens ou desenhos que possam atrair sua atenção e distraí-los. Além disso, lápis e canetas com pingentes que se movem podem ser úteis, pois qualquer atividade que demande atenção prolongada pode representar um desafio significativo para eles.

2. Hiperatividade:

Em crianças que exibem predominância de impulsividade e hiperatividade, é notável que elas têm dificuldade em permanecer tranquilas e paradas. Alguns dos comportamentos associados incluem:

  • Constantes movimentos e inquietação, como mexer e remexer em brinquedos.
  • Dificuldade em manter-se sentadas em cadeiras, seja em casa ou em restaurantes, frequentemente levantando-se ou caminhando ao redor da mesa.
  • Na escola, a criança também tende a levantar-se frequentemente, visitando as mesas de seus colegas ou até mesmo pedindo para ir ao banheiro às vezes como uma desculpa para se movimentar pela escola.
  • Aguardar a vez é um desafio, seja em jogos de tabuleiro, jogos da memória, dominó ou atividades de revezamento com várias crianças. Elas desejam participar de todas as partes do jogo ou da atividade.
  • Ficam impacientes em filas e costumam interromper os outros durante conversas ou em qualquer atividade em grupo.

É de extrema importância trabalhar o foco e o controle da ansiedade desde cedo. Um recurso útil para isso é o livro “Vamos Lidar com a Hiperatividade e o Déficit de Atenção”, que apresenta 60 atividades destinadas a crianças. Essas atividades podem ser conduzidas tanto por profissionais como por pais e cuidadores, proporcionando ferramentas valiosas para ajudar a lidar com a hiperatividade e promover um comportamento mais controlado.

3. Impulsividade:

A impulsividade é um traço que se torna evidente quando uma criança responde a uma pergunta antes mesmo de você terminar de fazê-la. Isso pode ter consequências negativas nas interações sociais e no processo de aprendizado, uma vez que eles frequentemente emitem comentários inapropriados ou indiscretos sem perceber.

Essa tendência à impulsividade pode resultar em situações embaraçosas e conflitos com outras crianças e adultos, dando a impressão de falta de educação, quando, na verdade, eles simplesmente não conseguem se conter antes de agir ou falar.

Se não for tratada na infância, a impulsividade pode persistir na adolescência e na vida adulta. Pode ser observado em jovens que iniciam muitos cursos, mas não conseguem concluir nenhum, ou em adultos que frequentemente começam uma faculdade, abandonam ou trocam de curso ou mudam de profissão repetidamente. Portanto, abordar e trabalhar na gestão da impulsividade desde cedo é fundamental para promover o sucesso nas interações sociais e no desenvolvimento acadêmico e profissional.

4. Dificuldade em Seguir Instruções:

Essa dificuldade em seguir instruções muitas vezes está relacionada à falta de concentração quando outra pessoa está transmitindo as informações. A criança pode ter dificuldade em processar o que precisa ser feito e, consequentemente, não compreende nem reproduz as instruções adequadamente.

Um passo importante para ajudar a criança a superar essa dificuldade e prepará-la para um futuro mais bem-sucedido é introduzir a disciplina desde cedo. Isso envolve estabelecer uma rotina sólida, que permite aproveitar a mente sempre ativa de maneira positiva e produtiva. Isso é essencial para evitar que a criança cresça sem autocontrole, incapaz de concluir tarefas e propensa à procrastinação, resultando na realização parcial de suas responsabilidades.

5. Desorganização:

Crianças com TDAH, especialmente aquelas que apresentam predominantemente a falta de atenção, podem enfrentar desafios relacionados à organização em várias áreas de suas vidas:

Organização de Pertences: É comum que percam objetos pessoais com frequência, incluindo mochilas, material escolar, brinquedos e roupas.

Organização da Rotina: Iniciar tarefas, como lições de casa ou atividades, é relativamente fácil para elas, mas frequentemente têm dificuldade em concluir o que começaram.

Uma estratégia eficaz para lidar com essa desorganização é estabelecer rotinas claras e criar ferramentas de organização do dia a dia, como listas de tarefas e o uso de agendas. É essencial que os pais e professores ofereçam apoio contínuo durante a implementação dessas estratégias até que a criança adquira habilidades para gerenciar sua própria agenda de forma mais independente.

6. Desafios Acadêmicos:

Os desafios acadêmicos representam um dos impactos mais notáveis e preocupantes do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), pois têm um efeito significativo no desempenho escolar e podem levar a dificuldades de aprendizado, frustração e baixa autoestima. Esses desafios incluem:

Dificuldade em Manter a Atenção em Sala de Aula: A capacidade limitada de concentração torna difícil acompanhar as aulas de forma consistente.

Desorganização nos Estudos: A desorganização afeta a maneira como a criança aborda seus estudos, resultando em dificuldade em manter materiais organizados.

Falta de Persistência: A tendência a desistir facilmente das tarefas pode prejudicar a conclusão de projetos e atividades escolares.

Erros por Descuido: A falta de atenção a detalhes pode levar a erros frequentes em tarefas e trabalhos escolares.

Dificuldade em Organizar Pensamentos: Organizar informações e ideias pode ser um desafio, tornando a expressão e a comunicação mais complexas.

Fácil Entediamento: A propensão ao tédio pode resultar na perda de interesse em atividades mais monótonas.

Clique aqui para ler um artigo com 7 Dicas pra criar um ambiente acolhedor em casa.

Uma abordagem ideal envolve o fornecimento de apoio adicional na escola, que pode incluir serviços de educação especial, adaptações nas aulas ou a criação de um plano de educação individualizado. Essas medidas são cruciais para atender às necessidades acadêmicas da criança e ajudá-la a alcançar seu potencial máximo na educação.

7. Esquecimento Frequente:

O esquecimento frequente é uma característica do TDAH, resultado do constante deslocamento dos pensamentos à frente das ações. Isso faz com que essas pessoas esqueçam facilmente coisas simples, como deixar um copo de água no balcão e depois, devido a um pensamento subsequente, procurar um biscoito no armário, deixando a caneca para trás.

É importante notar que adolescentes e adultos com TDAH que tomam medicamentos muitas vezes precisam organizar seus medicamentos em potes com divisões por dia da semana. Isso é necessário porque podem tomar o medicamento enquanto estão mentalmente distraídos e voltam a tomar a mesma dose novamente, caso esqueçam que já o tomaram.

Essas ações automatizadas, embora comuns, frequentemente resultam em lapsos de memória, onde as pessoas com TDAH não conseguem se lembrar do que fizeram, devido à sua constante desconexão entre pensamento e ação.

8. Dificuldade em Brincar em Silêncio:

Ao contrário das crianças com autismo, que frequentemente se afastam e mergulham em seus próprios mundos imaginários ao brincar, as crianças com TDAH tendem a se envolver em brincadeiras que envolvem muitos sons e interações sociais. Elas têm dificuldade em brincar em silêncio e preferem brincadeiras ricas em imaginação, que frequentemente incluem:

Emissão de Sons: Durante suas brincadeiras, essas crianças costumam fazer ruídos e sons para representar personagens ou situações.

Interação Social: Elas tendem a reunir pessoas, personagens e amigos para brincar junto com elas, favorecendo uma abordagem social para o jogo.

Narrativa e Expressão: Gostam de narrar suas brincadeiras, explicando aos adultos como estão se divertindo e demonstrando suas brincadeiras através da fala.

Essas características demonstram a preferência por um estilo de brincar mais expressivo, interativo e orientado para a imaginação por parte das crianças com TDAH, em contraste com a tendência ao isolamento observada em algumas crianças com autismo.

9. Desafios nas Interações Sociais:

As dificuldades sociais que as pessoas com TDAH enfrentam estão frequentemente relacionadas ao excesso de fala devido aos pensamentos que derivam rapidamente. Elas têm o hábito de começar a falar sobre um tópico e, em seguida, seus pensamentos se expandem para outros assuntos, resultando em conversas que se ramificam e se tornam difíceis de seguir.

Quando estão contando uma história, por exemplo, podem se perder facilmente, iniciando em um ponto, detalhando algo específico e depois voltando a outro ponto de vista, muitas vezes sem concluir a narrativa. Às vezes, até mesmo eles mesmos podem esquecer o que inicialmente queriam transmitir.

Portanto, é fundamental que desde cedo essas pessoas pratiquem a objetividade na comunicação, aprendendo como ser mais assertivas e diretas em suas interações. Essa habilidade é crucial para melhorar as amizades, já que a dificuldade na comunicação pode torná-las propensas a serem excluídas, frequentemente sendo rotuladas como chatas por crianças um pouco mais velhas e adolescentes.

10. Baixa Autoestima:

Com frequência, os sintomas do TDAH podem levar a uma autoestima reduzida nas pessoas afetadas. Isso acontece porque elas tendem a se comparar com colegas que não têm o transtorno, resultando em uma percepção negativa de si mesmas.

Sentem-se incompetentes ou menos capazes devido às dificuldades acadêmicas que enfrentam e à tendência de cometer erros por descuido. Essa autocrítica os leva a se culparem por suas dificuldades, o que pode gerar sentimentos de frustração e autocondenação.

Além disso, muitas vezes subestimam suas próprias conquistas, desvalorizando seu próprio progresso. Esse ciclo negativo pode piorar os sintomas do TDAH, tornando ainda mais desafiador o foco, a hiperatividade e a impulsividade.

Nesse contexto, pais, cuidadores e professores desempenham um papel fundamental. Eles podem ajudar a criança a reconhecer suas habilidades e sucessos, construindo gradualmente sua autoestima e promovendo uma visão mais positiva de si mesma. Isso não apenas melhora o bem-estar emocional, mas também pode ter um impacto positivo nos sintomas do TDAH.

Conclusão:

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma condição complexa que afeta muitas crianças em todo o mundo, tendo um impacto significativo em suas vidas acadêmicas, sociais e emocionais. À medida que exploramos os 10 principais sinais do TDAH em crianças, fica evidente que essa condição é multifacetada e requer uma abordagem individualizada para diagnóstico, tratamento e apoio.

Identificar e compreender esses sinais é um passo fundamental na promoção do bem-estar das crianças com TDAH. A detecção precoce é essencial para garantir que elas recebam o suporte necessário o mais cedo possível, ajudando-as a desenvolver habilidades para enfrentar os desafios que enfrentam.

Com compreensão, paciência e intervenção adequada, podemos ajudar essas crianças a superar os desafios do TDAH e a trilhar um caminho para um futuro brilhante e bem-sucedido.

Esperamos que este artigo tenha fornecido insights valiosos.

Se você encontrou este artigo útil, tem alguma sugestão ou gostaria de compartilhar suas experiências, deixe um comentário abaixo. Adoraríamos ouvir sua opinião!

Sobre a autora: Miriam França é uma psicóloga formada com especialização em Orientação Familiar. Com sua experiência e conhecimento, ela dedica-se a auxiliar os pais na promoção do desenvolvimento saudável e feliz de seus filhos. Para mais informações, acesse o site www.caminhofamiliar.com.br.

Este artigo é apenas para fins informativos e não substitui a orientação de um profissional da saúde ou psicologia. Consulte sempre um especialista para obter orientação personalizada.

Deixe um comentário